Publicado em: sexta-feira, 20/09/2013

Embraer compete com maiores cargueiros do mundo

Embraer compete com maiores cargueiros do mundoA Embraer fabrica aeronaves e está com um jato KC-390 para competir com máquinas gigantes do mercado. Há anos, a empresa não demonstrava empolgação em inovar e passa longe dos grandes aviões. Mas, atualmente a historia é outra. Um cargueiro militar vem para mudar o cenário.

O jato da empresa brasileira voa alto, é rápido e mais encorpado até mesmo em relação ao famoso Hércules, o cargueiro da Lockheed Martin. A diferença é que a máquina brasileira apresenta um preço abaixo do da concorrência. O Brasil busca mais credibilidade no setor aéreo.

Tempos atrás, o país estava preocupado em equipamentos usados. Agora, quer defender a produção nacional e até mesmo exportação de máquinas militares , visto que o mercado internacional está bastante restrito. A previsão é de que o KC-390 esteja voando no final de 2014. Se os planos se confirmarem, o Brasil dará um impulso no segmento que está cambaleando.

O país deve deslanchar na frente da China, Índia e Rússia. O KC-390 promete ser o maior avião que já foi produzido em toda a América Latina. O corpo deve ser grande o bastante para que caiba um helicóptero Blackhawk. O consultor de aviação chamado Richard Aboulafia declarou à imprensa que não acredita ter havido uma concorrência tão forte para o Hércules como será o KC-390. Ele pertence ao Teal Group.

A aposta da Embraer é superar o Hércules usando motores a jato no lugar de turboélices, que são utilizadas nos equipamentos da Lockheed desde 1950. A Embraer quer investir em modelos de motores como os do Airbus A320. Além, quer levar vantagem em relação a quantidade de carga útil, altitude e velocidade de cruzeiro. Apesar de a Lockheed dizer que não há nada igualável à vida útil das turboélices.

As vantagens levantadas pela Lockheed é de que as turboélices conseguem entrar em terra, pistas impróprias e cascalhos. O ex-piloto Larry Gallogly diz que motor a jato nessas condições pode acontecer o pior. Os executivos da Embraer estão projetando o avião de carga para que a Força Aérea possa pousar em situações improvisadas em regiões da Amazônia até a Antártida.