Publicado em: segunda-feira, 29/08/2011

Em um ano, mortalidade infantil caiu 4,8% em SP

Nesta sexta-feira (29) o governo do Estado de São Paulo informou que a taxa de mortalidade caiu cerca de 4,8% em 2010 quando comparada ao mesmo período em 2009. Assim, o índice de óbito em crianças com idade inferior a um ano a cada mil nascidos foi de 11,9 no ano passado. Já em 2009, a taca era de 12,5. Para a Organização Mundial de Saúde, este índice é considerado o principal indicador da situação da saúde pública (OMS). A meta é ficar abaixo de 10.

Segundo o governo do estado, foram registradas 7,1 mil mortes das 601,4 mil crianças que nasceram vivas em 2010. Os dados apontam que 201 municípios de São Paulo já possuem a taca de mortalidade inferior a 10. Na avaliação do governador Geraldo Alckmin, o índice é satisfatório. “Depois que chega na taxa de 20, ela cai mais devagar. Nós tivemos mais uma redução, agora chegando a 11,9 o número de mortos por mil nascidos vivos, é a menor taxa de mortalidade infantil do estado. Nos últimos anos vai caindo mais devagar porque o índice já é baixo”, disse.

O governador ainda comentou que faz parte das metas de administração do estado o valor indicado pela OMS. Com a avaliação, o governo deve atender os municípios que ainda possuem o índice superior a 10. “Nós vamos fazer um mutirão na região sudoeste de São Paulo, Itapetininga, Itapeva, Avaré, que não tem o mesmo índice de desenvolvimento, fazer um grande esforço para redução”, afirmou.

as cidades que tiveram a maior taxa de mortalidade em São Paulo foi Avaré, com índice de 21,8 e São Roque, com 20,8%. De acordo com a coordenadora do programa Saúde da Mulher da Secretara de Estado da Saúde, Tânia Lago, estas cidades possuem índice mais alto pela pobreza da região, uma vez que os serviços de saúde acabam possuindo uma estrutura menor. “É preciso investir nos serviços, mas é preciso também ter um esforço de desenvolvimento local”, comentou.