Publicado em: quarta-feira, 19/10/2011

Em primeira visita a África, Dilma quer intensificar acordos

A presidente Dilma Rouseff termina amanhã sua visita à África, mas hoje ela ainda deve passar o dia em Maputo e depois seguir para Luanda. A presidente quer mostrar aos africanos as semelhanças que existem entre eles e os brasileiros, intensificando os acordos de parceria (social, econômica e comercial) entre as nações.

O projeto Completo de Miatize, conta com o apoio brasileiro e foi realizado pela empresa Vale. Ele fica no Norte de Moçambique, onde existem minas de carvão, sendo que o objetivo é produzir 12 milhões de toneladas. Aproximadamente U$$ 6 bilhões são investidos no projeto e o maior beneficiário é o país. Os investimentos só crescem: na saúde, agricultura, formação de profissionais e educação.

A presidente Dilma participará em Maputo das homenagens ao herói nacional, o ex-presidente Samora Machel. Ela também irá se reunir com empresários brasileiros e moçambicanos e com o presidente Armando Guebuza. Já em Angola, Dilma deve lembrar o país que o Brasil o apoiou durante a Guerra Fria e que foi o primeiro país a reconhecê-lo como um governo independente.

Dilma termina a visita ao continente em Luanda, onde participará de uma homenagem ao monumento feito ao primeiro presidente de Angola, Agostino Neto. Este país viveu em intensa guerra durante 27 anos, o que causou a morte de mais de 500 mil pessoas. Até hoje estas guerras trazem problemas para a população, como minas terrestres que são constantemente encontradas por crianças.