Publicado em: sexta-feira, 14/03/2014

Em Porto Alegre, ativistas do movimento GLBT realizam manifestação com beijaço contra deputado

Em Porto Alegre, ativistas do movimento GLBT realizam manifestação com beijaço contra deputadoUm grupo formado por 50 ativistas dos grupos da Liga Brasileira de Lésbicas, União Nacional dos Estudantes (UNE), Desobedeça, Juntos e União da Juventude Socialista (UJS) promoveu uma manifestação em frente à sede do Partido Progressista (PP), em Porto Alegre. A revolta era contra declarações do deputado Luiz Carlos Heinze.

O que irritou o grupo foi que Heinze, durante uma reunião sobre demarcação de terras indígenas da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, teria afirmado que quilombolas, indígenas e homossexuais são “tudo o que não presta” na sociedade.

No ato foi promovido um “beijaço” contra o racismo, o preconceito e a homofobia. Os manifestantes ainda entoaram palavras de ordem, exigindo a renúncia do deputado. Cartazes foram espalhados pelo local, conhecido como Esquina Democrática, com dizeres como “Beijinho no ombro pra homofobia passar longe” e “Pode não gostar, mas tem que respeitar”.

O Partido Progressista do Rio Grande do Sul já havia se manifestado, no final do mês passado, sobre as declarações de Luiz Carlos Heinze, que foram classificadas como uma opinião do deputado no exercício do mandato. Ele fez a polêmica declaração em 29 de novembro de 2013, mas só agora os protestos contra ele têm se intensificado.

Posição oficial

De acordo com nota do PP, o partido não compactua com atos de preconceito ou de incitação a violência contra qualquer grupo ou minoria. Ainda afirma que o Partido Progressista defende a pluralidade e a convivência pacífica, e o respeito a opiniões e diferenças.

A nota ainda eximiu o partido de qualquer responsabilidade por erros ou manifestações impróprias, e salientou que o mesmo problema ocorre em outros partidos, comparando as instituições a uma família e às divergências de opiniões que acontecem dentro das casas dos brasileiros.