Publicado em: terça-feira, 04/10/2011

Em depoimento, colega de classe afirma que viu arma na mochila de Davi

Durante um depoimento feito ontem na Unidade de Saúde da Criança e Adolescente, M.V.S informou que viu a arma na mochila do menino Davi Mota Nogueira, de 10 anos, antes da tragédia na Escola Municipal de Ensino Professora Alcina Dantas Feijão, no dia 22 de setembro. Davi atirou na professora e depois se matou.

A delegada Lucy Mastelline Fernandes e uma psicóloga ouviram quatro crianças ontem. Rosileide Queiros Oliveira, a professora ferida pelo garoto, também deu seu depoimento, porém a delegada só irá falar hoje sobre o conteúdo da declaração. Lucy afirma que nenhum testemunho revela o motivo de Davi ter feito aquilo e que o caso está longe de ser entendido. Ela deve ouvir mais quatro alunos essa semana.

Lucy disse que eles devem tomar certo cuidado com os depoimentos das crianças, pois elas podem sofrer influências e alterar os acontecimentos. Segundo o pai de M.V.S, o vigilante Marcos Gutemberg, o menino disse que viu o cabo da arma da mochila, que Davi tinha planos de tirar a vida da professora e depois se matar, após isso, M.V.S contou para a irmã no intervalo, mas a menina não acreditou no que ouviu.

Mas, durante o depoimento para a delegada, o menino não contou qual eram as intenções de Davi, apenas confirmou que viu a arma e avisou a irmã. Lucy afirma que a professora era vista como chata pelos alunos no sentido de ser exigente. Ela não permitia barulhos e cobrava as tarefas. A delegada disse que os estudantes a “consideravam a menos legal”.