Publicado em: quarta-feira, 16/05/2012

Em Bogotá, atentado contra ex-ministro mexe com o país

Na última terça feira (15), Bogotá, a capital da Colômbia, foi sacudida por um atentado, com o uso de bombas, numa das mais movimentadas avenidas da cidade. O resultado foi a morte de duas pessoas, além de 39 outras que ficaram feridas, de acordo com as informações liberadas pela Polícia Metropolitana.

O motorista e um segurança do ex-ministro Fernando Londoño, responsável pela pasta Interior, morreram no ataque a bomba. O ex-ministro era o alvo do atentado. Ele ficou ferido, mas não corre risco de morrer em decorrência dos ferimentos. Um oficial da polícia destacou que não houve a confirmação sobre outros falecimentos. Inicialmente, a Cruz Vermelha da Colômbia havia confirmado a morte de cinco pessoas devido a explosão.

Ações preventivas

De acordo com Juan Manuel Santos, o presidente da Colômbia, estão em curso investigações sobre o caso, mas ainda não conseguiram identificar os responsáveis pelo atentado.

O ex-ministro foi alvo de uma das bombas no momento em que se deslocava em seu carro blindado. A ação ocorreu na Avenida Caracas, na esquina com a Rua 74, local onde se concentram muitas empresas e universidades, com o constante deslocamento de pedestres e estudantes.

Santos informou que Londoño se encontrava estável hospitalizado e lamentou a morte do motorista e do agente da polícia que cuidava da segurança. Imagens exibidas na TV local mostravam o dano causado em vários veículos, incluindo um furgão verde com o teto levantado.

O presidente fez questão de enfatizar que o atentado foi condenado, sem que fosse possível ao menos entender seu propósito. Mas afirmou também que o governo não se deixará desestabilizar pelos atos terroristas. O ataque foi atribuído à guerrilha das Farc, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, que conta com mais de nove mil combatentes.