Publicado em: sexta-feira, 14/06/2013

Em 2012, mioma causou internação de 12.000 mulheres em SP

Em 2012, mioma causou internação de 12.000 mulheres em SPEm cada dia de 2012, 33 mulheres, em média, precisaram ser internadas no Estado de São Paulo por problemas de mioma. Relatório mostrado nesta semana pela Secretaria Estadual de Saúde mostrou que somente em São Paulo, no ano passado, 12 mil mulheres foram internadas por causa deste mesmo problema. A secretaria divulgou também que a cada dez mulheres internadas em decorrência de mioma, oito tinham idade entre 20 e 49 anos.

O diretor médico do Centro de Referência da Saúde da Mulher do Hospital Pérola Byington, localizado em São Paulo, André Luiz Malavasi diz que o mioma – antigamente conhecido como fibroma uterino – trata-se de uma neoplasia benigna, da mesma forma que a verruga. Ele é uma alteração provocada devido a uma degeneração e, por isso, não tem relação direta com a idade da mulher, podendo acometer pessoas mais jovens. É, conforme explica o médico, uma doença benigna e geralmente é hereditária. O médico explica que ao longa da vida, a estimativa é que entre 30 e 40% das mulheres desenvolvam mioma.

Malavasi afirma que, pelo fato do mioma ser muito frequente, atualmente os médicos o consideram doença apenas quando a neoplasia vem acompanhada por sintomas, o que não acontece em todos os casos. Assim, na mulher que tem mioma mas não sente nada, o mioma não é tratado como doença, sendo apenas uma alteração degenerativa que ocorre de forma normal.

Além disso, o médico diz que a não existe chance do mioma evoluir para um câncer. Assim, ele tranquiliza as mulheres e diz que elas não devem se preocupar caso sejam diagnosticadas com mioma. Ele exemplifica que o mioma é diferente do câncer do colo de útero, por exemplo, em que é necessário fazer o papanicolau anualmente ou do câncer na mama, em que a mulher precisa fazer mamografia com regularidade depois dos 40 anos. Malavesi ainda diz que o risco do mioma interferir numa gravidez é muito pequeno.

A maioria dos miomas não apresentam sintomas. Quando o mioma vem acompanhado de sintoma, normalmente está relacionado ao sangramento. Entre os sintomas estão o aumento do fluxo menstrual e também aumento dos dias de menstruação além de dor durante este período.

O tamanho dos miomas também é variável, mas quando é muito grande, pode causar compressão da bexiga, causando desconforto à mulher na hora de urinar ou evacuar. Outros sintomas relacionados ao mioma estão a dor durante a relação sexual e a infertilidade.

As mulheres com miomas que resultam em sintomas têm o tratamento baseado em alguns fatores como saúde, idade e gravidade com que os sintomas aparecem. Desta forma, o médico diz que a única forma de curar esta neoplasia é retirando o mioma, embora a cirurgia ocorra somente em últimos casos.

Nas cirurgias, há possibilidade de fazer tanto a miomectomia, que retira somente o mioma ou a histerectomia, que é a retirada completa do útero. Este procedimento, no entanto, só é indicado nas situações em que a mulher não queira mais engravidas e o mioma não respondeu positivamente ao tratamento.