Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Eike Batista registra perdas recordes em suas empresas

As empresas controladas por Eike Batista, de capital aberto, bateram recorde de perdas. Um estudo da empresa de consultoria Economática, divulgado na quarta feira (28), revelou que foram mais de R$ 1 bilhão. Eike é dono do Grupo EBX, que controla seis grandes companhias com ações em cotação na Bolsa de Valores de São Paulo, de forma que os balanços precisam ser públicos e divulgados com determinada periodicidade.

De acordo com o levantamento, os prejuízos que as seis companhia acumularam no ano passado foram maiores que o dobro do valor registrado em 2010, quando marcaram R$ 448 milhões de perdas. Quem mais sofreu foi a companhia petrolífera OGX, registrando R$ 482,2 milhões, seguida pela MPX Energia, com R$ 408,6 milhões.

Apenas uma das empresas de capital aberto comandada pela EBX conseguiu obter lucro no ano passado, a construtora naval OSX, que conquistou lucro líquido de R$ 7,6 milhões. As perdas estão relacionadas com o fato de a maior parte das companhias serem ainda novatas, não conseguindo recuperar o investimento milionário que receberam.

Situações

Por exemplo, é o caso da OGX. Ela foi criada no ano de 2007 e depois de investimentos que fizeram dela a maior petrolífera privada que está em operação no Brasil. Ela tem vinte e nove concessões e só conseguiu vender o primeiro lote de petróleo nesta última semana.

Por outro lado, a PortX é dona de um porto ainda em construção gigantes no estado do Rio. Na Bolsa de São Paulo, a primeira empresa de Eike a ser inscrita foi a mineradora MMX. De acordo com as informações da Economática, o valor de mercado das seis companhias no momento de fechamento da bolsa na terça feira (27) era de R$72 bilhões.

O grupo EBX de Eike reúne ainda outras empresas, além destas seis companhias. Entre elas, a produtora de ouro AUX, a imobiliária REX e a IMX, uma companhia de esportes e entretenimento.