Publicado em: segunda-feira, 19/03/2012

Eike Batista lamenta acidente e defende o filho

Eike Batista, empresário de 55 anos e pai de Thor Batista, de 20 anos, que atropelou e matou Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos no último sábado (17), garantiu que a culpa do acidente não foi de seu filho. “Minha solidariedade à família e meu compromisso de que toda a assistência necessária será prestada. Infelizmente aconteceu um acidente fatal. Porém, a imprudência não foi do Thor”, declarou em uma postagem feita em sua página oficial do Twitter.

Através de uma nota, a assessoria de Thor Batista também lamentou o ocorrido. Além de informar que o filho de Eike prestou socorro à vítima, a nota diz também que o atropelado “atravessava, inadvertidamente, a rodovia 040 (sentido Juiz de Fora-Rio) de bicicleta”. Garante também que “Thor estava na velocidade permitida, fez o teste do bafômetro e firmou declaração de próprio punho descrevendo o acidente, no posto da PRF”.

Família da vítima questiona postura da polícia

A família de Wanderson deve entrar com um processo de indenização e nega a versão de Thor, argumentando que o jovem estava pedalando sua bicicleta pelo acostamento do mesmo lado em que ficava a sua casa e por isso não teria razão para cruzar a rodovia. Além disso, outra reclamação é quanto a atitude da polícia em ter liberado a retirada do carro de Thor de modo irregular, antes mesmo da remoção do corpo.

De acordo com as testemunhas, o veículo foi recolhido pela policia rodoviária, mas foi liberado logo em seguida com a garantia de que o proprietário não faria qualquer modificação no carro, que pode atingir até 300 km/h. Contudo, Thor garante que estava dirigindo dentro da velocidade permitida: 110 km/h.

Caso seja comprovado que a velocidade no momento do acidente era superior ao que é permitido, torna-se um caso criminal, passando de crime culposo para crime doloso.