Publicado em: terça-feira, 22/11/2011

Egito vive quarto dia de manifestações

Nesta terça-feira, dia 22 de novembro, o Egito enfrenta o quarto dia seguido de protestos contra o governo militar. Desde que o ex-presidente Hosni Mubarak renunciou ao cargo, no dia 11 de março deste ano, o Conselho Supremo das Forças Armadas e o marechal Hussein Tantaoui assumiram o comando do país.

Os organizadores das manifestações exigem a renúncias dos militares e a realização de eleições para a presidência até abril do próximo ano. Os manifestantes também pedem a reestruturação do Ministério do Interior, que é o órgão responsável por tomar as decisões relacionadas a justiça e segurança.

Até esta segunda-feira, havia pelo menos 24 mortos e 1,8 feridos devido aos constantes conflitos entre os policiais e os protestantes. As manifestações acontecem na Praça Tahrir, que se tornou um símbolo de manifestos. As manifestações são comandadas pelo Movimento 6 de abril e pela Coligação dos Jovens da Revolução. Para chamarem os manifestantes, os organizadores utilizam as redes sociais como Twitter e Facebook.

A Irmandade Muçulmana do Egito já divulgou que não irá participar dos protestos desta terça-feira na Praça Tharir. O Partido da Liberdade e da Justiça anunciou, através de um comunicado oficial, que não irá participar para que sejam evitados mais conflitos sangrentos na região.