Publicado em: quinta-feira, 21/03/2013

Educador aponta que Facebook pode ser ferramenta para o cyberbullying

Educador aponta que Facebook pode ser ferramenta para o cyberbullyingO bullying que é o ato de ter um comportamento agressivo e hostil com colegas nas escolas está ganhando uma nova proporção devido ao fenômeno que é denominado como cyberbullying. Como é simples acessar à ideia de impunidade que a internet está oferecendo, agressões de maneira verbal e difamação ficaram comuns, como aponta o educador Gustavo Teixeira no Manual dos Transtornos Escolares.

Teixeira diz que redes como o Facebook, por exemplo, estão criando ferramentas para realizar estes atos, em que novas comunidades estão sendo criadas com objetivo de fazer agressão, difamação, ofensas e até humilhando as vítimas disso.

O Bullying, junto com o transtorno de déficit de atenção/hiperatividade, o transtorno bipolar de humor, a deficiência intelectual, o autismo infantil são alguns dos que Teixeira aborda no livro Manual dos Transtornos Escolares. A edição é de interesse para pais, professores e profissionais que estão ligados com a educação.

Caso clínico

Teixeira faz relato de um caso clínico. Daniela é uma aluna que tem 15 anos de idade e está cursando o primeiro ano do ensino médio em um colégio tradicional da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Os pais chegaram bastante abalados emocionalmente ao consultório junto à adolescente, e fazia três semanas que ela não ia para o colégio.

Conforme apontam relatos de seus pais, Daniela foi sempre uma jovem bastante tímida e que tinha poucos amigos. Eles estavam acreditando que pela falta de facilidade em se socializar e poder se defender de agressões fizeram com que um grupo de meninas excluísse e agredisse a aluna durante as aulas.

Duas semanas antes desta consulta, uma dessas meninas publicou no Facebook várias ofensas contra a aluna que, desde aquele momento, não retornou mais para o colégio.