Publicado em: segunda-feira, 06/01/2014

Educação made in Ásia

Educação made in ÁsiaO Japão, que já há quatro décadas investe na área do ensino superior vem criando países seguidores. Na Ásia, China, Coreia do Sul, Taiwan e Cingapura também estão investindo em educação de qualidade.

Os jovens não pensam mais em ingressar seus estudos apenas em seus países. Também invadem universidades americanas que são consideradas as melhores do mundo. Tudo por uma educação globalizada. Segundo a última pesquisa do Instituto Internacional de Educação dos E.U.A, o número de estudantes chineses bateu o Record nas instituições de ensino superior americanas.

Criada logo no fim da Guerra da Coréia, as escolas entraram com tudo no ensino básico e gratuito, com o currículo das instituições públicas e único pelo Governo Federal. A maioria das universidades é privada e são custeadas pelos impostos.

A família investe muito na formação dos filhos, geralmente fazem cursinhos até nos finais de semana com ajuda de professores particulares. O que prova ser um dos investimentos primordiais em todas as classes sociais. A língua inglesa é obrigatória no sistema público por ser uma das principais preocupações. Em um mercado globalizado a fluência na língua é necessária para o mercado de trabalho.

Na China e no Japão o PIB (Produto Interno Bruto) não está entre os mais altos do mundo, girando em torno de 4,5%, mas mesmo assim os gastos particulares valem a pena.

O primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe promete liberar verbas para distribuição de bolsas de estudo no exterior. Tudo para ter atrair novos alunos estrangeiros e contratar professores de outros países, sendo diferenciado pela China que manda cada vez menos alunos para os cursos de graduação ou intercâmbios nos centros internacionais.

O Japão começou o desenvolvimento muito antes de seus vizinhos e é claro, lidera o ranking. A Universidade de Tóquio está no primeiro lugar e mesmo assim o governo diz que terá que investir no sistema mais globalizado para estimular a formação de profissionais capacitados para se destacar no mercado internacional ou serão superados pelos chineses.