Publicado em: sexta-feira, 17/05/2013

Dono da DIS afirma que muitas coisas precisariam mudar para que Neymar não defenda o Barcelona

Dono da DIS afirma que muitas coisas precisariam mudar para que Neymar não defenda o BarcelonaO empresário Delcir Sonda, que conta com 40% dos direitos sobre o atacante Neymar, disse que seria necessário mudar muita coisa para que o jovem atacante da seleção brasileira não defendesse o Barcelona durante a próxima temporada.

Sonda afirmou para a rádio catalã RAC1 que é previsto que ele vá para o Barcelona, pois o contrato estava guardado com chaves. O empresário com isto fez referência ao valor pago de uma antecipação de 10 milhões de euros feito pelo clube catalão.

Neymar é propriedade de três grupos investidores, o maior deles é o Santos com 55% dos direitos federativos, logo após vem o grupo DIS, que é propriedade de Sonda, com 40%, e 5% pertencem para o grupo Teisa. O empresário aponta que teria que ser mudadas muito coisas, e, caso o Barcelona não leve ele, dificilmente irá atuar em outro lugar. Sonda não tem mais muita proximidade do pai do atacante após uma negociação, e Neymar pai é o maior entrave para que o maior jogador da seleção possa enfim ir para a Europa.

Segundo Sonda, o antigo interesse do Real Madrid, que chegou a oferecer 60 milhões de euros pelo jogador, e para ele chegam a corresponder 24 milhões de euros, mas o pai de Neymar quer ficar com a parte que cabe ao empresário por esta operação. O dirigente do DIS garante que o Barcelona está negociando apenas com o Santos, porém que necessitam levar em conta a opinião dele para realizar a operação. Ele diz dispor de 40% sobre Neymar e isto foi dito duas vezes para o Presidente Sandro Rosell do Barcelona, e ainda acrescentou que, caso o Barcelona não entre em acordo com ele, ele está disposto a que o assunto seja levado para a FIFA.

Para os proprietários do jogador tenham algum lucro com a venda de Neymar, será necessário que este negócio seja fechado nesta janela de transferências, pois Neymar tem contrato com o Santos até o mês de junho do ano que vem, e em janeiro já pode assinar um pré-contrato e com isto o clube santista e os empresários do jovem não iriam receber nada com a venda.