Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Dólar sobe depois de leilão do Banco Central influenciado pelas notícias do exterior

O dólar terminou a sessão de ontem em alta devido a dois fatores principais: notícias do cenário econômico externo e devido à interferência do Banco Central por meio de um leilão para compra da moeda. Com a interferência dessas duas variáveis, o dólar fechou o dia com 0,56% de aumento, sendo cotado a R$ 1,827. Durante a sessão a variação foi de R$ 1,828 a R$ 1,815. Um operador de câmbio disse que no período da manhã a alta foi devido ao cenário externo e depois o leilão manteve essa alta. Segundo o operador, com a maior aversão ao risco, isso favoreceu o preço da moeda no Brasil.

Na perspectiva do mesmo operador, a presença do leilão mesmo com a leve alta no período da manhã explicita a meta do Banco Central que é de não deixar a moeda ficar abaixo de R$ 1,80. Nos últimos dias, essa intervenção vem ocorrendo mesmo quando o dólar está em alta e isso significa, portanto, que há outras medidas relacionadas ao câmbio que devem ser impostas pelo governo. Já Marcos Trabbold, operador de câmbio da B&T Corretora também citou o leilão como motivo para a alta da moeda no dia de ontem. Segundo ele, assim que a moeda apresentou queda, o Banco interveio. O BC não vinha fazendo interferências desde a última sexta-feira, pois depois desse dia a moeda vinha apresentando crescimento.

O cenário externo influenciou a moeda ontem assim como as medidas cambiais da semana anterior. As medidas apoiadas pelo governo para conter a valorização excessiva da moeda brasileira começaram a ter efeito e impedir a entrada de uma quantidade muito alta de dólares. Na semana passada foi detectado que houve mais saída do que entrada de dólar no país. O fluxo negativo chegou a 306 milhões de dólares no período de 19 a 23 da última semana. Nas últimas semanas tem havido a entrada menor da moeda no país.