Publicado em: sexta-feira, 24/05/2013

Dois suspeitos do ataque em Londres foram detidos

Dois suspeitos do ataque em Londres foram detidosOs novos suspeitos de envolvimento no ataque são um homem e uma mulher, os dois com 29 anos de idade. O motivo do ataque parece ser uma conspiração para matar Lee Rigby, um soldado de 25 anos.

O ataque aconteceu nesta quarta-feira no sul da cidade de Londres, em um bairro chamado Woolwich e segundo a polícia britânica a denúncia partiu de dois muçulmanos radicais afirmando terem visto um rapaz a posse de uma faca de açougueiro em seguida a morte de Rigby.

Ainda informaram que ele, Al-Muhajiroun, foi convertido muçulmano e participava de um grupo da religião de caráter radical que já havia sido banido na Inglaterra. O objetivo do muçulmano seria vingar a morte de companheiros.

De acordo com ex-chefe do suspeito identificado em vídeo, o senhor Anjem Choudary, o suspeito identificado no vídeo realizado após o ataque é Michael Adebolajo, seu nome real, antes da conversão. Choudary diz a polícia que ele era um cristão e foi convertido ao Islã no ano de 2003 e a partir daí atuou em diversas manifestações do grupo.

O vídeo em questão foi encontrado posteriormente ao ataque e tem o suspeito Michael Adebolajo com suas mãos completamente ensanguentadas.

Omar Bakri Muhammad viveu em Londres e foi também um pregador muçulmano, agora ele mora no Líbano e ele também identifica o homem do vídeo como sendo Adebolajo. O radical conheceu o rapaz por volta do ano de 2000, pois Adebolajo participou de suas palestras na capital do Reino Unido. Bakri afirma lembrar-se dele por ele parecer ser tímido, inteligente quando o questionava com perguntas interessantes e se declara muito surpreso com o vídeo. Porém, o que marca o suposto ataque dele em Londres foi a euforia e frieza do rapaz.

O segundo suspeito é uma mulher que foi atingida durante o confronto com a polícia que houve neste ataque, ela foi atingida por disparos e ainda não foi identificada. Nas imagens do dito vídeo o suspeito com a faca conversa com uma mulher que de acordo com declaração da imprensa britânica tentava intervir e prevenir que haveria mais derramamento de sangue muçulmano. Para o jornal Daily Telegraph a suspeita é Ingrid Loyau-Kennett.