Publicado em: sexta-feira, 12/04/2013

Dois consórcios disputam licitação para administrar novo Estádio do Maracanã por 35 anos

Dois consórcios disputam licitação para administrar novo Estádio do Maracanã por 35 anosO governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou durante esta quinta-feira (12) que dois consórcios irão concorrer na licitação para o Maracanã. A abertura dos envelopes contendo propostas de concessão do estádio estava marcada para ter início às 10 horas, porém ocorreu apenas uma hora e meia após previsto e durante al foi definido que o Complexo Esportivo e Cultural do Rio de Janeiro, que as empresas Construtora OAS S.A., Stadion Amsterdam N.V. e Lagardere Unlimited irão disputar com o consórcio Maracanã SA, que é formado por Odebrecht Participações, IMX Venues e AEG Administração de Estádios do Brasil.

Estas propostas foram reveladas em um clima tenso, pois ocorreram diversos protestos na frente do Palácio Guanabara durante a manhã. Estes entraves na frente da sede do governo do Estado do Rio fez com que houvesse atraso para a revelação de envelopes que continham estas propostas.

O consórcio que vencer a licitação vai ter direito de administrar o Maracanã durante os próximos 35 anos, e essa disputa é motivo de bastante polêmica. O presidente da comissão de licitação Luiz Roberto Silveira Leite do estádio, chegou a ser alvo de protestos dos deputados estaduais Marcelo Freixo e Janira Rocha, do PSOL, que usaram a alegação de que a abertura de uma sessão para a abertura dos envelopes só poderia ter início com a presença de cidadãos que tem interesse em acompanhá-la.

Os deputados, porém, foram informados por Policiais Miliates que faziam o controle do acesso ao prédio do Palácio Guanabara, que o governador Sérgio Cabral (PMDB) do Rio de Janeiro havia proibido que os dois se fizessem presentes. E, devido aos protestos em frente da sede do governo do Rio, o governo restringiu a entrada dos populares neste local em um primeiro momento, antes que permitissem que a comissão que fazia protestos pudesse entrar no auditório para fazer o acompanhamento da sessão.

O governo agora vai analisar as propostas para a concessão do estádio, após uma briga jurídica ocorrer durante a abertura dos envelopes contendo propostas para as licitações. Primeiro foi o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) que entrou com ação civil pública que buscava anulação do processo da concessão do estádio para a iniciativa privada, além da suspensão da demolição de estruturas no entorno do Maracanã, em que estão presentes o estádio de atletismo Célio de Barros e também o parque aquático Júlio de Lamare, para que estas estruturas fiquem mantidas.