Publicado em: sexta-feira, 11/04/2014

Diretor faz uma releitura na história de “Noé” e une o bíblico com teorias de Darwin e Big Bang

Diretor faz uma releitura na história de “Noé” e une o bíblico com teorias de Darwin e Big BangPassando por um tempo onde as ideologias ganham força nas redes sociais e na internet, diariamente é possível se ver postagens de pessoas que defendem a Bíblia e a implantação de leis que formam o caráter e o comportamento de indivíduos com base nisso.

Em contraponto, há os que não seguem esses costumes e nem acreditam nos ensinamento do livro sagrado, descrendo da forma como é descrita em como surgiu a Terra, o homem, as civilizações e o universo.

Dentro de todo esse contexto, chega o diretor Darren Aronofsky – mesmo criador de “Cisne Negro” e “Rêquiem para um Sonho” – que traz uma outra linguagem para o primeiro livro da Bíblia, Genesis.

Nela conta-se a história do judaísmo, cristianismo, islamismo e também a origem do homem e universo. Já no filme “Noé”, o diretor não foca somente na bíblia, ele faz uma releitura misturando interpretações cientificas com religiosas para a criação, fazendo um misto de versículos bíblicos com imagens que fazem referência ao Big Bang, e também a teoria evolucionista de Charles Darwin, há um trecho no filme que diz: E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus”.

Essa sequência de imagens surge em uma parte onde Noé, que é interpretado pelo ator Russell Crowe conta aos filhos a história que vinha sendo contada de geração em geração, cada homem de sua família, até chegar ao primeiro homem existente; Adão.

Conflitos éticos e morais

A expectativa da maioria dos cristãos era chegar ao cinema e se deparar com um filme bíblico, contudo, o diretor é claro em afirmar que sua produção está longe de ser uma aula sobre religião e ciência, e o filme tem como foco principal a história do profeta Noé, que foi chamado por Deus a construir uma arca que manteria salvo ele, sua família e um par de animais de todas as espécies durante o dilúvio, uma tempestade que devastaria e destruiria tudo afim de acabar com a humanidade.

Mesmo com o trailer do filme dar a ideia de que Aronofsky teria usado o ator que interpretou Noé para trazer ação ao filme, o que é ressaltado no filme são os conflitos éticos e morais contidos na narrativa.