Publicado em: quarta-feira, 18/03/2015

Diretor da Williams rebate acusações de Massa

O piloto brasileiro Felipe Massa acabou gerando uma polêmica na última semana ao reclamar dos motores que a Mercedes está fornecendo à Williams para as competições. Essa reclamação acabou levantando algumas suspeitas, e o principal receio é que a equipe da fábrica seria a maior beneficiada desta situação. Entretanto, nem mesmo dentro de sua equipe, Felipe Massa ganhou apoio com a acusação. Pat Symonds, diretor técnico da equipe, afirmou que estava atualmente satisfeito com a relação entre eles e os alemães, garantindo que já observaram algumas diferenças mínimas entre os motores que a Mercedes usa e os que são fornecidos à Williams.

Um engenheiro entrevistado pela ESPN explicou que toda a parte de hardware precisa ser a mesma nos motores, por isso o mapeamento dessa peça acabará sendo muito parecida entre o que é fornecido ao adversário e o que é usado pela própria equipe. O engenheiro ainda afirmou que pode ocorrer alguma configuração individual feita no carro, mas que o trabalho que vinha sendo feito até o momento era bastante satisfatório. Massa levantou a suspeita sobre uma possível diferença entre os motores depois de chegar em quatro lugar no GP da Austrália.Diretor da Williams rebate acusações de Massa

Massa cruzou a linha de chegada quase 40 segundos depois do campeão, Lewis Hamilton, da Mercedes. Após levantar as desconfianças, Massa ainda pediu a ajuda dos alemães, para que mudassem de postura e ajudassem a Williams na briga contra a Ferrari. A equipe italiana realmente mostrou uma boa evolução, tendo Sebastian Vettel na terceira posição. O piloto brasileiro afirmou que a equipe está se esforçando bastante no que se refere a motor.

De acordo com ele, o novo conta com algumas melhorias, mas que eles estão tendo que se esforçar bastante também, porque havia muita diferença entre os motores dados à equipe da Mercedes. Ele ainda finalizou afirmando que realmente espera que as duas equipes estejam usando o mesmo motor, que não haveria motivo para ser diferente. A mesma desconfiança já havia sido levantada pelo CEO da McLaren, que afirmou que na F1 atual, em que as equipes dependem muito do desempenho de motores, a principal desvantagem era ser uma equipe cliente e não a de fábrica. Ele afirmou ser impossível que uma equipe cliente acabar como campeã no nível atual da competição.