Publicado em: sábado, 14/04/2012

Dilma voltou ontem a defender redução de juros

Mais uma vez a presidente Dilma Rousseff voltou a defender que é necessária a redução dos juros e spreads bancários (diferença entre taxa captação pelos bancos e a cobrada dos clientes). Essas medidas são importantes, pois só com elas será possível manter o crescimento sustentável. Além dessas duas variáveis, Dilma também citou a alta carga tributária como um dos problemas para que a economia do país cresça de maneira equilibrada e contínua.

Segundo a presidente é preciso desmontar esses entraves para que o país cresça de maneira continuada. Segundo ela é necessário, por exemplo, colocar os juros e spreads nos padrões internacionais de custo de capital. Essas questões foram abordadas pela presidente durante seu discurso na sede da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em Brasília, quando foi lançado o Programa de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira.

Dilma Criticou as medidas de combate à crise europeia

Além disso, Dilma também chamou a atenção e criticou novamente as medidas tomadas pelos países europeus para conter a crise. Ela disse que é necessário impedir que os mecanismos de combate à crise nos países desenvolvidos impliquem na valorização do câmbio brasileiro, pois isso prejudica a indústria e as empresas de serviços. Dilma também criticou a alta taxa tributária o que tem sido o principal alvo dos empresários, que dizem que as taxas brasileiras são mais altas que de outros países. Segundo Dilma, com essas taxas é quase impossível manter um desenvolvimento sustentável.

Além dessas questões, Dilma falou também sobre a necessidade de produtividade e a inovação para o crescimento do país. A presidente disse que o governo vai contribuir com a modernização do Instituto Nacional de Propriedade Industrial dos serviços de registro de patentes. Na perspectiva de Dilma, com a flexibilidade e a inovação do país, o Brasil rapidamente se transformará em um grande centro de inovação conhecido em todo o mundo.