Publicado em: quarta-feira, 11/04/2012

Dilma visita MIT em último dia nos Estados Unidos

A visita da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos parece estar rendendo muitos acordos para o Brasil. Na tarde de ontem, terça-feira (10), Dilma visitou o MIT (Massachusetts Institute of Technology), um dos mais importantes centros de pesquisa em todo o mundo. Na ocasião, foi assinado um convênio com o MIT para a montagem de um centro de inovação no Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA), dentro de período de até seis meses.

A presidente declarou no momento que estamos vivendo o século do conhecimento, onde todos precisam trabalhar e desenvolver suas capacidades para a construção de um mundo que seja mais rico e mais justo. Ela também se comprometeu publicamente a oferecer o suporte necessário nesta parceria com o instituto.

Quem explicou como deve funcionar este centro de inovação foi o ministro da educação, Aloizio Mercadante. Ele deixou claro que o instituto irá diversificar para novas áreas e não só a de engenharia aeronáutica como acontece atualmente.

Mercadante ainda destacou que a marca do MIT é a de transformar propostas em ações práticas e que isso deve ser feito também no Brasil, dando salto na qualidade de nossa economia.

Parceria

Susan Rockfield, reitora do MIT, também aproveitou a ocasião para lembrar que o fundador do ITA, o instituto brasileiro, também atuou como reitor do MIT, Richard Smith. Atualmente, o ITA conta com 120 estudantes de graduação, enquanto que o MIT tem apenas 10 brasileiros na graduação e mais 40 na pós.

Mercadante declarou com certeza que o Brasil terá também um MIT, com o total suporte oferecido pela presidente Dilma. Mercadante lembrou ainda que a cidade onde será instalada esta unidade ainda não foi decidida.

Serão ofertadas bolsas que irão permitir aos pesquisadores a viagem de pesquisadores seniores e até mesmo mais renomados, como vencedores de Prêmios como o Nobel, para o desenvolvimento de estudos no país brasileiro. O ministro da educação já revelou que dois vencedores do Nobel fecharam parceria com o ITA.