Publicado em: sábado, 10/12/2011

Dilma se emociona em entrega do Prêmio Direitos Humanos

Nesta sexta-feira, dia 9 de dezembro, a presidente Dilma Rousseff esteve no Prêmio Direitos Humanos 2001 e se emocionou ao participar da entrega das premiações. As homenagens foram dadas a 20 pessoas e, entre elas, estava a juíza Patrícia Acioli, que foi assassinada em agosto. Patrícia foi condecorada com a premiação póstuma na categoria “Enfrentamento à violência”.

A juíza foi representada pela irmã Simone Lourival Acioli e pela filha Ana Clara Acioli. Ao receber o prêmio pela mãe, Ana Clara disse em um discurso emocionado que Patrícia continua viva. Outro agraciado pelo prêmio foi o Instituto Vladimir Herzog, que foi representado pela viúva do jornalista, Clarice Herzog.

Ao entregar o prêmio, Dilma Rousseff discursou e disse que esta premiação fazia referência não só ao Instituto que leva o nome do jornalista, mas também a Vladimir Herzog, que lutou e foi morto durante o regime militar. Na categoria “Garantias dos Direitos da População de LGBT”, o vencedor foi Carlos Ayres Britto, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Foi ele o redator do processo que reconhece a união estável de pessoas do mesmo sexo.

Na categoria “Igualdade Racial”, a vencedora foi a empregada doméstica Creuza Maria Oliveira, que causou muitas risadas e aplausos do público presente. Depois da premiação, a ministra Maria do Rosário defendeu a proposta que faz da homofobia um crime, cuja votação ainda não foi feita pelo Senado pela ausência de acordo.