Publicado em: quarta-feira, 19/10/2011

Dilma Rousseff quer investimentos com apoio social na África

Em sua primeira visita ao continente africano, a presidente Dilma Rousseff pediu que os empresários brasileiros que tem investimentos na África se preocupem com o apoio social aos países, e não só com o valor econômico dos projetos. Para a presidente, essa atitude preservaria a imagem do Brasil na região. Dilma afirmou que não pode existir apenas a visão de exploração, mas que deve ser deixado um legado para o país.

Dilma se reuniu com dez empresários, como o presidente da Vale, Murilo Ferreira, e representantes da Odebrecht, da Camargo Corrêa e da Queiroz Galvão. A presidente pediu para saber todos os detalhes sobre os investimentos de cada empresa nos países africanos. Depois, abriu uma discussão sobre estratégias dos diferentes setores do Brasil para investimentos também em Angola, próximo destino de sua viagem.

O vice-presidente de novos negócios da Camargo Corrêa, André Clark, garantiu que Moçambique é a prioridade da empresa na realização de projetos estruturantes. Já Murilo Ferreira disse à presidente que a Vale está próxima de concluir um investimento de US$ 1,8 bilhão na exploração de carvão e que já há previsão de ampliar essa mina, com o custo de US$ 3 bilhões.

A Vale ainda está construindo 210 quilômetros de estrada de ferro para conseguir escoar o carvão mineral e um porto para exportação do produto, com orçamento previsto em R$ 1 bilhão. Com essas medidas, Ferreira explicou que a empresa irá dobrar a produção de carvão em Moçambique até 2014. Com a exportação de parte do carvão para o Brasil, pode haver mais equilíbrio na balança comercial entre os dois países, que hoje é totalmente favorável ao Brasil.