Publicado em: quarta-feira, 01/02/2012

Dilma pretende intensificar ajuda à reconstrução do Haiti

Nesta quarta-feira, dia 1º de fevereiro, a presidente Dilma Rousseff desembarca em Porto Príncipe, no Haiti. Depois de uma visita a Cuba, a presidente brasileira pretende conseguir intensificar o apoio do Brasil, juntamente com os cubanos, nas áreas de agricultura, saúde, capacitação profissional e na construção da usina hidrelétrica no Rio Artibonite, localizado a 60 quilômetros da capital do Haiti.

Esta hidrelétrica deve se tornar o maior símbolo da cooperação brasileira no desenvolvimento haitiano. A usina Hidrelétrica Artibonite 4C terá potência de 32 megawatts e pretende gerar energia para atender aproximadamente 230 mil famílias do país. O governo haitiano considera a construção da usina como um marco em sua economia. O projeto básico da hidrelétrica foi desenvolvido pelo Instituto Militar de Engenharia. O valor estimado do projeto era de US$ 2,5 milhões, mas foi doado para o Haiti.

Segundo assessores da presidente, a visita de Dilma em terras haitianas é “emblemática”, porque ela acontece em um período em que o país está tentando lutar contra as dificuldades da reconstrução, devido ao terremoto de 12 de janeiro de 2010, em que mais de 220 mil pessoas morreram, além do aumento na epidemia de cólera.

A presidente Dilma deseja mostrar ao governo do Haiti que o Brasil pretende continuar como a principal ajuda para o país. De acordo com Dilma Rousseff, o apoio não deve ser apenas através de ações militares, mas também na parte social. De acordo com alguns especialistas, os projetos realizados no Brasil em combate a fome e a pobreza podem ser adaptados para o Haiti.