Publicado em: quarta-feira, 15/02/2012

Dilma não quer divisão da base do governo

Durante a primeira reunião com os partidos aliados, a presidente Dilma Rousseff afirmou que as eleições municipais que acontecerão no mês de outubro não poderão dividir a base do governo. Ela disse ainda que investimentos públicos não serão utilizados para as eleições.

Dilma pretende instituir um monitoramente das ações de governo, feito em tempo real, além de acompanhamento de gestão e melhorias na qualidade dos serviços que são prestados para a população. Já o ministro da Fazenda, Guido Mantega, realizou uma visão geral do atual cenário econômico doméstico e internacional. De acordo com ele, o contingenciamento do Orçamento para 2012 ainda não foi finalizado, mas o investimento do governo deverá crescer mais de 10% durante este ano.

Fernando Dornelles, presidente do PP, sugeriu à Dilma que seja criada uma meta de investimentos feitos ao governo, algo parecido com o que já é feito com as metas de inflação e superávit. A presidente gostou da idéia e já solicitou estudos a respeito.

O encontro serviu também para discutir assuntos como a criação do fundo de servidores públicos (Funprespe), que deve ser votado logo após o fim do carnaval; a lei Geral da Copa; e o fim do incentivo às importações de alguns portos brasileiros. Um tema delicado foi a divisão dos royalties do petróleo. Alguns integrantes pressionaram o governo exigindo um posicionamento claro quanto ao assunto.

Devido às eleições de outubro, a agenda do governo no Congresso deverá ser mais intensa durante o primeiro semestre, já que durante o período eleitoral o Legislativo tende a ser esvaziado.