Publicado em: sexta-feira, 11/11/2011

Dilma diz que apesar de crise ser forte, Brasil terá impacto menor

Mesmo reconhecendo que a nova crise econômica mundial é “forte e duradoura”, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira (10) que o Brasil deve sentir um impacto menor em comparação ao que foi sentido na crise de 2008. Durante uma coletiva de imprensa, ela ainda falou com otimismo que a expectativa é que o crescimento econômico do país em 2012 seja maior do que este ano.

“Eu acho que o Brasil vai ter um crescimento menos afetado dessa vez do que teve de 2008 para 2009. Apesar de todas as medidas que nós tomamos, nós conseguimos sustentar e diminuir a queda do PIB (Produto Interno Bruto), que ia ser muito intensa, e chegou a -0,9%. Agora, nós estamos achando que nós conseguimos manter o nosso patamar e o do PIB a partir de agora, no ano que vem, ir para um aumento maior”, comentou Dilma.

Apesar do comentário, a presidente não quis estabelecer um índice para i PIB deste ano. “Se der qualquer diferença, eu vou começar a dar explicação pro porteiro”, brincou.

Dilma aproveitou para destacar mais uma vez que o país está consolidada fiscalmente e que os investimentos na infraestrutura são bastantes necessários. “Nós hoje temos uma situação muito especial no cenário internacional”, afirmou.

“A minha visão sobre esse processo de crise internacional em relação ao Brasil é de otimismo. Nós temos elementos, inclusive para fazer face à crise, que eles não têm mais. A minha pauta é completamente diferente da pauta dos países desenvolvidos. Os países desenvolvidos discutem crise, dívida soberana e dívida de banco. Nós aqui discutimos investimento, redução de imposto, crescimento e como é que nós vamos cada vez mais ampliar o espaço do Brasil no mundo”, disse.