Publicado em: segunda-feira, 17/03/2014

Dilma dá posse a seis novos ministros

Dilma dá posse a seis novos ministrosNesta segunda feira, a presidente Dilma Rousseff deu posse a seis novos ministros, em uma cerimônia realizada no Palácio do Planalto. Os novos ministros já haviam sido anunciados pelo governo na última semana, já que as trocas no comando das pastas integram uma proposta de reforma ministerial da presidente. Foram empossados pela presidente Dilma os seguintes ministros: Vinicius Lages (Turismo), Eduardo Lopes (Pesca), Miguel Rosseto (Desenvolvimento Agrário), Clélio Campolina (Ciência e Tecnologia), Gilberto Occhi (Cidades) e Neri Geller (Agricultura).

Desde o ano passado a reforma ministerial vinha sendo esperada, já que a maioria dos titulares anteriores havia deixado as pastas do governo para concorrer a outros cargos nas eleições do mês de outubro deste ano. Na maioria dos casos de troca na Esplanada, a presidente havia escolhido nomes ligados aos partidos que já estavam ocupando os ministérios mantendo, como por exemplo, Agricultura e Turismo com o PMDB, Pesca com o PRB, Desenvolvimento Agrário com o PT e Cidades com o PP.

A presidente destacou durante a cerimônia que eventos como este fazem parte de qualquer regime democrático, seja qual for o governo em comando. Ela lembrou que respeitando a legislação eleitoral, os ministros precisam deixar os cargos para se submeter ao julgamento do povo nas urnas, conforme for o caso. Ela ainda desejou sorte aos que se referiu como parceiros de jornada. Dilma ainda fez um agradecimento aos ministros que estavam deixando os cargos: Pepe Vargas (Desenvolvimento Agrário), Gastão Vieira (Turismo), Marcelo Crivella (Pesca), Marco Antônio Raupp (Ciência e Tecnologia), Aguinaldo Ribeiro (Cidades) e Antônio Andrade (Agricultura).

Durante o agradecimento, ela afirmou que todos haviam contribuído para construir e consolidar um Brasil que tende a crescer, a ter os índices de desigualdade diminuídos, na construção de um mercado interno, mantendo os fundamentos macroeconômicos e garantindo que o Brasil se mantenha estável diante de qualquer conjuntura, diante do quadro econômico internacional.