Publicado em: quarta-feira, 28/03/2012

Dilma critica protecionismo ‘perverso’ da União Européia durante reunião dos BRICs

Em mais uma reunião a presidente Dilma Rousseff criticou as políticas expansivas da União Europeia. Em meio à crise internacional, a presidente disse que essas ações indicam uma guerra cambial e demonstram formas de protecionismo. A critica é para os recursos oferecidos pelos bancos centrais dos países na tentativa de reerguer a economia. O problema, segundo a presidente é que parte desse dinheiro não fica nestes países e vai para o mercado especulativo em economias estáveis, como é o caso do Brasil, que tem juros atrativos.

A conseqüência dessa entrada de dólar e de euro no país é a valorização excessiva do real que implica de forma negativa no processo de exportação de mercadorias brasileiras. É por isso que Dilma citou que essa medida é uma “forma perversa de protecionismo”. O discurso da presidente sobre esse assunto aconteceu na cerimônia em que ela recebeu o título de doutora honoris causa pela Universidade de Nova Déli.

Em todas as últimas viagens ao exterior a presidente Dilma Rousseff criticou e combateu o modelo de levantamento das economias europeias feito pelos bancos centrais. Para a presidente, essas ações não passam de medidas de austeridade e desvalorização da força de trabalho. Na perspectiva analítica da presidente o ajuste fiscal deve estar de mãos dadas com estímulos para o crescimento econômico. A presidente brasileira disse ainda que defende a reforma das instituições internacionais, principalmente para incorporar representantes de países em desenvolvimento, como aqueles que fazem parte dos BRICs, mais especificamente do Brasil e da Índia para deliberar sobre a paz e a segurança.

O Brasil busca há muito tempo um lugar no Conselho de Segurança da ONU que hoje é restrito apenas aos países que saíram vitoriosos da Segunda Guerra Mundial. Trata-se dos Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China. Eles são os únicos que possuem representantes com poder de veto e cadeiras permanentes no Conselho.