Publicado em: quarta-feira, 25/07/2012

Dilma cobra CNPq sobre não renovação de bolsas do Ciência Sem Fronteiras

A presidente Dilma Rousseff não gostou de saber que o o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) não fez a renovação das bolsas do programa Ciências Sem Fronteiras para alunos que estão fazendo intercâmbio em países como Portugal, Canadá, Espanha, Bélgica, Alemanha e Inglaterra. Na terça-feira, 24 de julho, ela pediu que o órgão dê explicações sobre o assunto.

Pelo menos 25 estudantes brasileiros que vivem no exterior tiveram que abandonar as suas pesquisas porque as suas bolsas não foram renovadas pelo CNPq, órgão que é o responsável pelas bolsas do programa Ciências Sem Fronteiras, do governo federal.

No mês passado os alunos atendidos pelas bolsas chegaram a mandar para o CNPq um abaixo assinado para que elas fossem renovadas, mas tiveram o pedido negado. Agora a presidente quer saber diretamente de Glaucius Oliva, que é o presidente do CNPq, os motivos que levaram a não renovação e o motivo de tantas informações desencontradas sobre o assunto.

Até 2015, o programa Ciência Sem Fronteiras deve oferecer 101 mil bolsas de graduação e pós graduação. Destas, 75 mil são bancadas pelo governo federal e o restante seria pago por meio de parcerias feitas com a iniciativa privada. Não aconteceram cortes de recursos para o pagamento das bolsas, que geralmente tem a duração de um ano.

O Ciência Sem Fronteiras foi lançado em julho de 2011 e é um dos programas preferidos da presidente. Recentemente, Dilma havia dito que o Brasil estava trilhando um bom caminho por meio do programa, já que permite que os estudantes do nosso país tenham acesso às melhores instituições de ensino de todo o mundo e que era uma ótima oportunidade para a troca não só de conhecimento, como também de experiências. Com o programa, Dilma quer que cada vez mais profissionais estrangeiros também venham desenvolver as suas pesquisas em território brasileiro.