Publicado em: segunda-feira, 16/03/2015

Dilma anunciará ações de combate à corrupção

No último domingo, 15 de março, após a realização de manifestações em várias cidades do país, os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, deram uma entrevista sobre o ocorrido, afirmando que em breve a presidente Dilma Rousseff irá anunciar um pacote de medidas para combater a corrupção e a impunidade no Brasil. Os ministros não detalharam que medidas serão adotadas, mas garantem que o governo está trabalhando com o diálogo para lidar com as propostas.

Os ministros estiveram juntos em uma entrevista coletiva à imprensa no Palácio do Planalto, comentando sobre as manifestações. De acordo com a Polícia Militar, na capital paulista, um milhão de pessoas estiveram reunidas na Avenida paulista. Em Brasília, mais de 40 mil pessoas teriam se reunido na Esplanada dos Ministérios, também de acordo com a Polícia Militar. Cardozo afirmou que a postura do governo é a de combate à corrupção, por isso vem criando mecanismos para garantir investigações idôneas, mas deve anunciar em breve algo que já era uma promessa eleitoral, a criação de um conjunto de medidas para combater a impunidade e a corrupção.Dilma anunciará ações de combate à corrupção

Cardozo declarou ainda que mesmo após a apresentação desse pacote de medidas, o governo segue com diálogo aberto para incorporar outras sugestões que possam partir da sociedade. Na visão do ministro, existe um ponto de identidade nas manifestações, que é o desejo de toda a população em combater a impunidade e a corrupção de maneira firme. O ministro lembrou que a presidente havia prometido o anúncio do pacote de medidas num prazo de seis meses após a posse, mas que de acordo com o clamor da população, esse anuncia seria antecipado.

Cardozo garantiu ainda que parte das propostas que a presidente Dilma deve anunciar estão já em tramitação no Congresso, mas passarão por alguns aperfeiçoamentos. O ministro também falou a respeito da reforma política e como ela vem sendo discutida dentro do governo. De acordo com ele, na atual conjuntas, se faz necessária uma mudança no sistema político eleitoral, que hoje acaba se constituindo como principal porta para a corrupção no país e que somente uma reforma política pode mudar esse cenário.