Publicado em: sábado, 23/07/2011

Dilma afirma que ‘faxina’ no ministério dos transportes é necessária

A presidenta da república, Dilma Roussef (PT), afirmou ontem em entrevista concedida a repórteres no planalto que não há limite para as demissões que vêm ocorrendo no ministério dos transportes. Para a petista, a faxina deve continuar enquanto houver problemas na pasta e conforme novas denúncias de corrupção aparecerem. O Ministério dos Transportes é comandado pelo Partido da República (PR).

Os dois principais órgão ligados ao ministério são o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e a Valec, estatal de ferrovias nacionais. Por serem o centro das denúncias de corrupção, esses dois órgãos têm sido os principais alvos da faxina. Até o momento, 16 funcionários já foram exonerados, entre eles o ex-ministro dos transportes. O Dnit tem seis diretores e a Valec tem três.

Ontem, o petista Heraldo Caron, diretor de infraestrutura do Dnit pediu demissão, para evitar ser exonerado. Luis Antônio Pagot, diretor-geral do órgão está de férias, mas anunciou que enviará carta ao planalto pedindo demissão. Até o momento o ministério não confirmou o recebimento do documento. Caron afirma que a faxina passou do limite, pois começa a demitir membros do próprio Partido dos Trabalhadores (PT), mesmo sem acusações concretas.

Caron disse também que está saindo sem ressentimentos à presidenta Dilma ou a lideranças petistas. Segundo o ex-diretor, sua saída não será imediata, ams haverá um momento de transição. O diretor diz que espera ajudar Dilma a reformular a pasta e reafirmou que não teve envolvimento com corrupção. As denúncias de corrupção na pasta dos transportes começaram com uma reportagem da revista Veja, que afirmou que havia superfaturamento de obras do Dnit e da Valec, até agora nenhum acusação foi comprovada pelos órgãos competentes.