Publicado em: quinta-feira, 16/01/2014

Dian Fossey é homenageada em seu 82º aniversário

dian fosseyDian Fossey, uma zoóloga americana, que ficou conhecida por seu estudo a respeito do comportamento de gorilas por mais de duas décadas na África, foi a homenageada escolhida pelo Google para ganhar uma marca especial na página inicial do motor de buscas. No lugar do logo tradicional da marca, está um doodle que mostra a pesquisadora próxima de gorilas, que foram os protagonistas do famoso livro Nas Montanhas dos Gorilas, lançado em 1983, trazendo uma história e trabalho científico de Fossey que virou filme em 1988.

Foram reproduzidas no doodle de hoje também as cenas de carinho e a proximidade com os primatas, que foram também registrados em várias fotografias da zoóloga. Ela nasceu no dia 16 de janeiro de 1932, na Califórnia. A pesquisadora estudou biologia na Universidade da Califórnia, mesmo sendo contra a vontade de seu padrasto, que pretendia vê-la cursando uma faculdade na área de negócios. Mesmo sem o apoio dos pais na área financeira, ela conseguiu investir em sua carreira, apesar de ter trocado de curso, passando a estudar terapia ocupacional em San José, se formando em 1954.

Entretanto, ela acabou mesmo trabalhando com animais. No ano de 63 fez um empréstimo para ficar vivendo uma semana na África, onde se apaixonou pela pesquisa de fósseis e pelo contato direto com os animais. Seu contato maior foi com os gorilas, com quem o zoólogo George Schaller já havia realizado uma série de estudos anos antes. Ela chegou ao Congo em 66, durante a ocorrência de uma guerra civil, e acabou sofrendo muitas dificuldades para realizar seu trabalho.

Acabou se afeiçoando mais aos macacos e se tornou uma defensora dos direitos dos animais e da fauna africana, que era uma vítima de caças impiedosas que aconteciam no local. O livro que ela lançou em 1983, Nas Montanhas dos Gorilas, conta uma história que mistura a sua própria com o estudo científico que realizou no Karisoke Research Cente, fundado por ela em 1967, em Ruanda. Em dezembro de 1985 a pesquisadora foi encontrada morta em uma cabana em Ruanda. No local onde estavam guardados milhares de dólares em dinheiro e vários equipamentos eletrônicos, nada foi levado. Acredita-se até hoje que ela tenha sido assassinada, mas nada foi confirmado até hoje, vários anos após sua morte.