Publicado em: quarta-feira, 16/10/2013

Dia do Professor tem manifestações violentas e São Paulo e Rio de Janeiro

Dia do Professor tem manifestações violentas e São Paulo e Rio de JaneiroOs protestos formados por educadores e estudantes em São Paulo e no Rio de Janeiro. Realizados ontem, no dia do professor, acabaram de maneira semelhante, ou seja, muito corre corre e confrontos com polícia.

A manifestação começou pacífica nas duas capitais na boa parte do tempo, não se sabe precisar qual foi o estopim para que começassem os enfrentamentos e vandalismos. Mais de 50 pessoas ficaram feridas em São Paulo, no RJ ainda não chegaram a um consenso sobre o número de machucados.

A ordem de protesto era contra a gestão do governo de São Paulo em relação à educação e o apoio aos professores em greve no Rio de Janeiro. O trajeto inicial era saída do Largo da Batata até o Palácio dos Bandeirantes onde os manifestantes, a maioria estudantes da USP, reivindicaria junto ao governador Geraldo Alckmin melhorias na educação.

Na altura da Marginal Pinheiro um grupo de Black Blocs tentaram pixar um muro e foram contidos por policiais, eles reagiram e houve confronto. Acuados, alguns manifestantes foram presos enquanto uns vândalos promoviam destruição por onde passavam, os detidos foram encaminhados ao 14º DP e 89º DP. Após isso a manifestação dispersou pondo fim ao protesto.

No Rio de Janeiro terminou sem grandes imprevistos, porém houve aglomeração no final da manifestação e acabou gerando confronto com a polícia militar, após um suposto manifestante entrar na passeata e ser descoberto como sendo policial. Assim como em SP, os saldos ao final das passeatas eram de destruição, com muitos atos de vandalismo e até mesmo viatura incendiada.

Uma equipe da TV Globo que fazia a cobertura do evento em São Paulo, foi hostilizada pelo grupo Black Blocs durante a cobertura do evento. Os manifestantes seguiram o repórter José Roberto Burnier e tentaram atrapalhar o trabalho do jornalista com gritos de protestos e gestos obscenos.