Publicado em: quarta-feira, 30/04/2014

Devido a interdição de prédios da USP professores enfrentam dificuldades para ministrar aulas

Devido a interdição de prédios da USP professores enfrentam dificuldades para ministrar aulasDevido a uma interdição em prédio da Universidade de São Paulo, que é chamado de USP Leste, alunos e professores enfrentam dificuldades, já que a maior parte das atividades foram transferidas para o campus que fica localizado no Butantã, o curso prejudicado foi o da Escola de Artes, Ciências e Humanidades.

O prédio em que eram ministradas as aulas, além de pesquisas pertinentes aos cursos foi interditado após ter sido constatado que o prédio foi construído em meio a uma área de preservação ambiental, com isso alunos e professores que utilizavam as instalações do prédio foram prejudicados.

Os professores dizem que as aulas tem sido ministradas de maneira improvisada, em alguns casos, os próprios docentes tem de carregar utensílios como aparelhos necessários para serem utilizados em salas de aula, e por se tratarem de materiais que não podem ficar expostos, ao término das aulas os professores tem de carrega-los novamente para guardar.

Outro fato que preocupa os professores é a distância que muitos alunos terão de percorrer para chegar ao campus que fica no Butantã, que é mais distante do campus leste, eles tem medo de que os alunos percam a motivação de ir as aulas e esse seja um fator determinante para que estes alunos desistam dos cursos, segundo relato de uma professora, uma de suas alunas de mestrado optou por desistir de frequentar as aulas.

Os professores e alunos solicitam a Universidade que seja realizada uma inspeção para que possam ser apurados os riscos que o gás metano encontrado na área do antigo campus podem causar e para que se busque uma solução rápida para o problema, pois segundo os docentes existem áreas do prédio que ainda não passaram por análise, eles ressaltam a importância de retornarem ao campus leste, mas reconhecem que uma análise precisa ser realizada antes para que as pessoas não corram riscos.