Publicado em: quarta-feira, 04/04/2012

Demóstenes sai do partido e DEM apóia CPI sobre Cachoeira

Assim que Demóstenes Torres (GO), o ex-líder do DEM no Senado, pediu para sair do partido em função das denúncias sobre sua possível ligação com Carlinhos Cachoeira, o próprio partido apoiou a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as denúncias que envolvem a relação de parlamentares com o bicheiro. Segundo afirmou Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), o partido quer um debate com a participação da sociedade. Segundo ele, com a comissão será possível avaliar o tamanho dos problemas gerados pelo envolvimento do ex-líder do DEM com Cachoeira. Essas informações foram repassadas pela Agência Câmara na noite de ontem.

A CPI foi inicialmente proposta pelo deputado Protógenes (PCdoB-SP), mas com a divulgação de novas denúncias outros partidos passaram a apoiar a idéia do parlamentar. Durante a última semana novos documentos e gravações telefônicas foram publicados, o que prejudicou a situação de Demóstenes. As escutas fazem parte das investigações da Polícia Federal que já duram cerca de três anos. A Operação Montecarlo investiga a relação do principal acusado de manter o jogo do bicho no estado de Goiás, Carlinhos Cachoeira, com políticos e pessoas que trabalham em órgãos públicos.

Parlamentares concordam com a CPI

Ontem, Marco Maia (PT-RS), presidente da Câmara, pediu uma análise da CPI e está esperando informações do inquérito que está tramitando no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Maia, é necessário analisar se é ou não necessária a presença de uma nova CPI. Na opinião do líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), é muito provável que a CPI seja instaurada. Segundo o parlamentar já há, inclusive, assinaturas suficientes para abrir a CPI. Segundo Jilmar Tatto (SP), líder do PT, é preciso investigar a relação entre Cachoeira e o parlamentar, pois não se deve deixar que o crime organizado entre no estado. Ele sustentou ainda que toda a bancada do PT é a favor da CPI contra Demóstenes.