Publicado em: sexta-feira, 06/07/2012

Demóstenes diz que conversas gravadas foram editadas

Na manhã dessa sexta-feira, 6 de julho, logo quando começou a sessão sem votações no plenário do Senado em Brasília, o senador Demóstenes Torres, que era do DEM, mas que agora está sem partido, foi até a tribuna para falar sobre as supostas fraudes que foram encontradas nas gravações que foram feitas pela Polícia Federal. Ele contratou um perito para analisar as gravações a que teve acesso.

De acordo com o senador, ele teve acesso a apenas a alguns trechos e em todos eles é possível conferir a existência de fraudes. O parlamentar falou para um plenário vazio, que contava apenas com a presença do senador Aníbal Diniz, do PT do Acre, quando terminou a sua fala.
Segundo o senador, foram retirados 36 segundos de conversa das gravações, o que teria tirado o sentido das conversas e assim prejudicar a sua carreira política.

Por conta disso, Demóstenes Torres quer que esse material passe por uma nova perícia. O parlamentar ainda leu partes do relatório que foi feito pelo perito que ele mesmo contratou para analisar as gravações e completou dizendo que o relatório indicava que os áudios das conversas foram editados.

Além disso, o senador ainda afirmou que entre os dias 4 e 7 de junho do ano passado, o sistema de interceptação continuou com as escutas da linhas telefônicas de forma ilegal, sem o amparo da Justiça. Na ocasião, Demóstenes voltou a garantir que não recebeu a quantia de R$ 20 mil ou os R$ 3 mil que se referem à conta de uso de um jatinho, conforme afirma a polícia depois de analisar as conversas telefônicas entre o senador e integrantes do grupo de Carlinhos Cachoeira. Nenhum dos senadores quis comentar o discurso feito por Demóstenes Torres.