Publicado em: terça-feira, 10/07/2012

Demóstenes diz novamente que é vítima da “ditadura da perseguição”

O senador Demóstenes Torres fez mais um discurso em que ressalta que é vítima de uma “ditadura da perseguição”. Ontem ele falou no Senado com o objetivo de se defender de seus colegas que, segundo ele, querem sua cassação em função da pressão feita pela mídia e não necessariamente pela descrença em sua idoneidade. Segundo o senador a mídia empurrou para os outros senadores uma grande quantidade de textos jornalísticos forçando-os a pedirem a cassação. O seu julgamento esta marcado para o dia 11, amanhã. Ele disse que irá falar em todas as sessões até que seja julgado. Somente na semana passada foram cinco vezes que o senador subiu a tribuna na tentativa de se defender. Para que o pedido de cassação seja aprovado, é necessário que haja 41 votos do total de 81 senadores. A votação ocorrerá no Senado, mas será secreta. Ao se referir aos relatórios da PF, ele diz que está sendo perseguido e que esses documentos foram divulgados de forma criminosa. Os documentos foram feitos pela Polícia Federal, responsável pela operação Monte Carlo, em que foram gravadas conversas entre o senador e o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Senador tenta se livrar da cassação para manter-se no cargo de senador

O senador está sendo acusado de ter colocado o mandato no Congresso a serviço do bicheiro, passando informações políticas. Atualmente, o pedido de cassação de mandato foi aprovado pelo Conselho de Ética e pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado por unanimidade. Para tentar se livrar do processo, Demóstenes está tentando convencer os senadores de que se sua cassação for aprovada, será uma injustiça em função do sensacionalismo. Ele diz que não há provas contra ele e que as que existem são ilegais e “foram carnavalizadas pela imprensa”.