Publicado em: segunda-feira, 03/02/2014

Delegado aponta que filho é culpado pela morte do cineasta Eduardo Coutinho

Filho é culpado pela morte do cineasta Eduardo Coutinho, segundo DelegadoNesta segunda feira, dia 3 de fevereiro, a Justiça do Rio de Janeiro, decretou a prisão preventiva de Daniel de Oliveira Coutinho. Ele é considerado o principal suspeito pela morte do cineasta Eduardo Coutinho, encontrado com várias facadas no corpo no último domingo. Daniel Coutinho é filho do cineasta. Além de Eduardo Coutinho, a mãe do rapaz também foi encontrada com sinais de violência, com golpes de faca. Os dois estavam no apartamento da família e o rapaz, de 41 anos, foi preso em flagrante pela polícia. O delegado que cuida do caso já havia informado que ele era o principal suspeito pela morte do cineasta e os ataques contra a mãe. O pedido de prisão preventiva indica que a Justiça também entendeu que a provas iniciais já são suficientes para que Daniel seja mantido em prisão para garantia da ordem pública.

A juíza responsável, Natália Magluta, afirmou ter entendido que a prisão preventiva foi decretada como forma de garantia da ordem pública. Ela ainda afirmou que conforme o que se extrai dos autos do processo, o rapaz indiciado foi detido logo depois de ter confessado, perante vizinhos e outras testemunhas, que deferiu contra Coutinho vários golpes de faca, levando o cineasta a óbito, além de deixar sua própria mãe em estado gravíssimo, sendo em seguida encaminhada para atendimento médico.

Daniel vivia com os pais e foi indiciado por homicídio doloso. Como o rapaz apresenta um quadro de esquizofrenia, foi solicitada sua prisão preventiva até que o caso seja esclarecido completamente. O delegado do caso ainda informou que o crime aconteceu perto das 11 horas de domingo, sendo que o corpo do cineasta foi encontrada diante a porta de um dos quartos. A mulher teria tentado se esconder no banheiro e conseguiu ligar para outro filho em busca de ajuda. Após o ataque, Daniel teria tentado se matar.

O rapaz usou duas facas de cozinha para atacar os pais e logo após os ataques, teria ainda corrido até a porta de um dos vizinhos e gritado que conseguiu libertar seu pai, além de ter tentado se libertar e também sua mãe. O porteiro do prédio chamou uma equipe dos bombeiros e Daniel nem tentou reagir a contenção e ação deles, abrindo calmamente a porta para o profissionais.