Publicado em: terça-feira, 25/10/2011

Déficit nominal para este ano deve bater recorde

O Relatório do Setor externo, divulgado pelo Banco Central nesta terça-feira (25) apontou que o total de investimentos que entrara no país em setembro chegou ao valor de US$ 6,326 bilhões, registando uma elevação de 11,28% em relação a agosto e de 11,7% em relação a setembro de 2010. “Foi o melhor setembro em investimento estrangeiro desde 2004”, comentou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel.

Entretanto, quando se analisa os números referente ao pagamento dos juros da dívida externa brasileira, a remessa ao exterior e os gastos, a economia brasileira chega ao maior déficit nominal, ficando 2% acima do produto Interno Bruto (PIB). Na avaliação de Maciel, a entrada dos investimentos internacionais “foi maior do que esperávamos”. Desde o começo do ano, contabiliza US$ 50,471 bilhões. Em relação ao mesmo período do ano passado, é o dobro, já que foram registrados US$ 22,557 bilhões.

O chefe do departamento acredita que estes recursos devem continuar a entrar em fortes valores nos próximos três meses. Para ele, a estimativa de US$ 60 bilhões deve ser atingida. Na avaliação do banco central, “é uma projeção conservadora”.

Porém, o Banco Central continua a avaliar de forma negativa o déficit, que deve atingir a marca de US$ 54 bilhões neste ano. O índice representa todas as transações correntes realizadas no país, atingindo o total de 2,33% do PIB. Em setembro, o déficit conseguiu somar US$ 2,2 bilhões, que na avaliação de Maciel foi “o menor para o mês, desde 2007. O déficit acontece por conta dos maiores gastos externos que foram realizados com renda e serviços. Outros fatores que influenciaram foram as viagens internacionais, serviços governamentais e seguros, licenças e royalties, computação e informação, entre outros.