Publicado em: sábado, 31/03/2012

Dados econômicos dão mais tranqüilidade ao Brasil, diz Augustin

O Governo apresentou essa semana, em Brasília, um superávit primário de R$ 5,4 bilhões para o mês de fevereiro. Esse dinheiro se refere ao Tesouro Nacional, ao Banco Central e também a Previdência Social. Esse número é recorde para o mês de fevereiro. Além disso, o acumulado para o ano, incluindo os três primeiros meses do ano chegou a R$ 26 bilhões. Esse bom desempenho é resultado das despesas primárias de R$ 120 bilhões e das receitas primárias de R$ 146 bilhões para o início do ano de 2012.

Para Arno Augustin, secretário do Tesouro Nacional e responsável pela apresentação dessas informações para a imprensa, esse é um resultado que deixa o governo mais tranqüilo. Os dados dos dois primeiros meses já equivalem a 91,5% da meta para o primeiro quadrimestre do ano que é de R$ 28 bilhões. Isso significa que os próximos dois meses serão mais leves para o governo. Segundo Augustin, esse número já ajuda também no resultado para o ano todo, pois a meta a ser alcançada é de R$ 96,97 bilhões.

Já a Previdência Social sofreu um déficit de R$ 5,1 bilhões no mês de fevereiro. No mês de janeiro esse valor foi de R$ 3 bilhões. Augustin disse que esse aumento do valor negativo equivale ao adiamento do Simples Nacional e também aos gastos devido ao aumento do salário mínimo. O secretário disse que embora esses dados sejam negativos para o mês de fevereiro, o número deve melhorar no mês de março. Sobre o Produto Interno Bruto (PIB), o secretário avaliou que houve um crescimento de 10% da receita período de 2011 e as despesas cresceram num percentual menor, chegando a apenas 5,6%.

Sobre os investimentos feitos pelo governo com o dinheiro do Orçamento Anual, incluindo os valores destinados ao programa Minha Casa Minha Vida, o aumento é de apenas 2,5% para o período em relação a 2011. O total é de R$ 9,6 bilhões. Já os dados sobre o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mostram que houve crescimento nos gastos em 19,1%. Neste período, em 2010, os gastos estavam em R$ 3,5 bilhões, mas agora já chegam a R$ 4,1bilhões.