Publicado em: quarta-feira, 11/12/2013

Cumprimento entre presidentes de EUA e Cuba repercute mundo afora

Cumprimento entre presidentes de EUA e Cuba repercute mundo aforaO aperto de mãos entre o presidente de Cuba, Raúl Castro e o presidente americano Barack Obama durante cerimônia de funeral do líder Nelson Mandela hoje na África do Sul repercutiu mundialmente através da imprensa.

O burburinho, porém parece que se limitou aos jornalistas uma vez que questionado sobre o gesto, Raúl Castro afirmou que foi tudo dentro da normalidade e ocorreu porque ambos são civilizados, em entrevista a uma rádio da colombiana.

Em contrapartida, os americanos através da Casa Branca se pronunciaram que o aceno não estava no roteiro do presidente Barack Obama. O conselheiro Bem Rhodes de Segurança Nacional dos EUA relatou que Obama como parte de sua costumeira diplomacia só quis cumprimentar os expoentes do mundo que estavam no caminho até a chegada ao palanque em que discursaria.

Um empregado do governo dos EUA disse à France Presse que o gesto com o legatário de Fidel Castro foi uma mais uma declaração da pretensão do comandante americano de se achegar aos históricos inimigos de seu país, em que certamente se configura Cuba.

A página de internet oficialista cubano Cuba Debate festejou o aperto de mão, afirmando que este aceno pode ser o princípio do fim das violências dos EUA para com os cubanos.

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, que também discorreu durante o funeral, acompanhou a cena de muito perto.