Publicado em: sábado, 25/02/2012

Cruz Vermelha começa trabalhos para retirar civis de Homs

Nesta sexta-feira (24), a Cruz Vermelha Internacional começou a retirar os primeiros civis de Homs, na Síria, principal alvo dos protestos contra o regime do presidente Bashar al-Assad. O Exército do país iniciou uma série de bombardeios na cidade, colocando em risco toda a população. Milhares de sírios estão sitiados em áreas residenciais em que acontecem bombardeios intensos comandados pelo governo.

Os saldados rebeldes, que se denominam o Exército da Síria Livre, tenta defender os distritos, porém possuem apenas um leve armamento. A Cruz Vermelha Internacional disse que irá retirar todos aqueles que precisam de ajuda. Entre os que pretender deixar a área estão jornalistas feridos. Dois profissionais da mídia pediram por ajuda em um vídeo: o britânico Paul Conroy e a francesa Edith Bouvier, que está com uma perda fraturada. Eles se feriram em um ataque que matou os jornalistas Remi Ochlik e Marie Colvin.

Ambulâncias retiram vítimas

Depois de muita negociação com as autoridades do país, três ambulâncias do Crescente Vermelho Sírio (afiliado da Cruz Vermelha) finalmente conseguiram entrar em Baba Amr, que é o centro dos ataques das forças do governo e está tomado por soldados rebeldes. Os veículos tiraram 20 mulheres e crianças, e mais sete homens que estavam gravemente feridos e até mesmo doentes.

De acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC), os feridos foram encaminhados para um hospital em Homs. O Comitê afirma que irá continuar suas negociações e discussões com as autoridades da Síria e com os integrantes da oposição, e a fim de conseguirem retirar os civis dos locais de perigo. O Comitê acrescenta que o objetivo é retirar os doentes, feridos e aqueles que “estejam em uma situação desesperadora para chegar a postos médicos”.