Publicado em: quinta-feira, 01/03/2012

Crivella assume Ministério da Pesca nesta sexta-feira

O novo ministro da Pesca e Aquicultura, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), deve assumir a pasta nesta sexta-feira (2). A informação foi repassada para a imprensa pelo ministério. O senador vai substituir o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), que voltará a exercer o mandato na Câmara. A cerimônia de posse está marcada para as 11h, no Palácio do Planalto.

O nome de Crivella foi anunciado ontem pelo Palácio do Planalto depois de decisão tomada pela presidente Dilma Rousseff de passar a pasta ao PRB. O partido não tinha nenhum representante nos ministérios até o momento. O PRB é o partido do ex-vice-presidente José Alencar, falecido há quase um ano. Uma das suas principais características é a agregação da bancada evangélica no Congresso. O PRB esteve na base governista do governo de Luiz Inácio Lula da Silva e agora segue Dilma Rousseff.

Em entrevista, Marcelo Crivella (PRB-RJ) disse que a sua participação no ministério deve aproximar o governo dos evangélicos. Crivella afirma que não foi esse o objetivo da sua indicação, mas que o cargo pode proporcionar essa aproximação.

Essa estratégia de estreitar as relações entre o governo e os evangélicos vai ser importante para a candidatura do ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo. É necessário unir os aliados, pois Haddad foi muito criticado pelos parlamentares religiosos ao querer implantar nas escolas o chamado “kit anti-homofobia”.

Segundo a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, a nomeação de Crivella para ocupar um ministério vai ajudar a fortalecer a base governista, pois o PRB é um “precioso aliado” do governo petista. Crivella será o terceiro ministro da Pesca nomeado durante o governo Dilma. O primeiro foi Ideli Salvatti (PT-SC), mas em junho do ano passado trocou de ministério com Luiz Sérgio. Ontem (29), por meio de nota, o deputado Luiz Sérgio agradeceu a presidente Dilma pela confiança durante o período em que esteve à frente dos dois ministérios e disse que agora continuará apoiando o governo na Câmara dos Deputados.