Publicado em: quinta-feira, 31/05/2012

Crise derruba Ibovespa ao menor nível em 7 meses

Em função da instabilidade da zona do euro e das condições do sistema bancário na Espanha, a aversão a risco nos mercados aumentou e deixou a Bovespa em mais um dia de queda. A bolsa fechou com o pior índice dos últimos sete meses. O Ibovespa terminou a sessão com queda de 1,53%, com 53.797 pontos. Esse foi o pior fechamento desde o dia 10 de outubro de 2011, quando o índice ficou em 53.273 pontos. Ontem, a sessão teve um giro de R$ 6,43 bilhões. Segundo o analista William Alves, da XP Investimentos, o cenário segue negativo e desafiador para a bolsa. Isso ocorre segundo ele, porque os investidores não querem assumir riscos ao comprar ações. Tudo depende do comportamento da Espanha e da Grécia.

Crise da Zona do Euro afeta investidores e bolsas caem

Com as condições da Espanha e da Grécia, a crise na zona do euro atacou de forma negativa os investidores. O cenário na Espanha é de esforço para resgatar os bancos, enquanto na Grécia pesquisas eleitorais mostram uma disputa acirrada para a eleição de 17 de junho. Esse momento será decisivo, pois, definirá se o país continuará ou não no bloco. Dentre as ações que perderam valor está a OGX que caiu 8,36%, terminando a sessão em R$ 10,41. A Petrobras também recuou 2,65% e terminou o dia com as ações cotadas a R$ 18,35.

Outro problema que teve reflexo no Brasil foi a queda de 3% no preço futuro do petróleo nos EUA. Esse fenômeno teve impacto nos resultados no Brasil. Em função disso, a preferencial da Vale terminou o dia com menos 0,41%, cotada a 36,45 reais. Além da queda significativa da OGX, outras duas empresas do empresário Eike Batista fecharam em baixa. É o caso da MMX que terminou com baixa de 7%, em R$ 6,77 reais, e da LLX que teve queda de 6,07%, a R$ 2,32.