Publicado em: sexta-feira, 22/06/2012

Criação de empregos formais cai 44% em maio e registra pior resultado desde 2009

Maio apresentou o pior resultado desde 2009 para a criação de empregos formais. Os dados foram divulgados ontem Ministério do Trabalho e preocuparam o governo brasileiro. As informações anunciadas pelo ministério são buscadas no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Esse sistema mostrou que somente 139.679 vagas foram criadas em maio em todo o país com carteira assinada. Esse número equivale a 44,5% menos vagas do que a quantidade criada no mesmo mês de 2011, quando o sistema computou um total de 252.067. Esse número só não supera 2009, quando somente 131.557 postos com carteira assinada foram abertos. O melhor desempenho do período foi 2010, quando o total de vagas criadas chegou a 298.041. Sobre os setores que mais disponibilizaram vagas, em primeiro lugar ficou a agropecuária com um total de 46.261. Em seguida veio o setor de serviços e de indústria de transformação, com 44,587 e 20,299, respectivamente.

São Paulo foi o estado com maior quantidade de vagas criadas em maio

Em comparação com os estados, quem mais criou vagas foi São Paulo, com 52,6 mil novos postos com carteira assinada. Já quando comprados os meses de maio e abril, o maior crescimento ocorreu no Acre, com 1,06% a mais de vagas no mês de maio que em abril. Embora estes estados apresentaram crescimento de vagas, seis estados tiveram queda na quantidade de empregos criados no período, como é o caso de Amazonas, Sergipe, Rio Grande do Norte, Roraima, Alagoas e Rio Grande do Sul.

Ao somar os cinco primeiros meses do ano, foram criados em todo o país 877.909 empregos formais. Esse número equivale a 21% a menos que no mesmo período de 2011, quando o total de vagas chegou a 1,11 milhões.