Publicado em: sábado, 26/05/2012

Cresce número de residências com um só morador

Em função das mudanças sociais e econômicas em todo o mundo, todos os anos aproximadamente 12 milhões de pessoas que passam a morar sozinhas. Esse número de lares com apenas um morador é considerado como o maior de toda a história. Além disso, esse número tem crescido de forma cada vez mais acelerada, impulsionado na maioria das vezes pelos países emergentes, como é o caso do Brasil, por exemplo. De acordo com informações da consultoria americana Euromonitor, quase 4% da população mundial, o que equivale a cerca de 270 milhões de pessoas em todo o globo, moravam sozinhas no ano de 2011. Isso equivale a um aumento de 27,6% se comparado com os dados de 2006. Ante 1996, o aumento de lares com uma só pessoa chega a 77%.

Exemplo de pessoas que optam em morar sozinhas é o produtor de cinema carioca Fábio Savino. Depois de morar um tempo na França, ele voltou ao Brasil e decidiu não morar mais com os pais. Ele mora em um pequeno apartamento na Lapa, no Rio de Janeiro. Segundo ele, sua atividade profissional requer concentração e flexibilidade e ficava difícil avisar aos pais sempre que saia. Além disso, ele contou que buscava independência.

Fenômeno já é comum em países emergentes

Antes esse fenômeno era comum apenas em países mais avançados economicamente, como é o caso da Suécia e da Noruega. No entanto agora ele já passou a ser mais normal em países emergentes e vem crescendo rapidamente. Quase metade dos lares chamados de unipessoais pertence aos países ricos. Isso equivale a cerca de 130,7 milhões de pessoas morando sozinhas. Esse número era de 107,5 milhões em 2006. No Brasil, cerca de 10% dos lares são ocupados apenas por uma pessoa. Em 1996 esse número era de apenas 8%.