Publicado em: terça-feira, 03/07/2012

CPMI conclui que atendimento às mulheres vítimas de violência é precário

A conclusão da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) é que o atendimento às mulheres vítimas que sofrem algum tipo de violência é precário em todo país. A Comissão investiga a violência contra mulheres e na última sexta feira promoveu audiência pública em São Paulo. Depois de várias avaliações em vários estados como Minas Gerais, Alagoas, Pernambuco, Espírito Santo e São Paulo, a CPMI concluiu que o atendimento às mulheres em todo o Brasil não está bom. A CPMI analisou a presença de equipamentos oferecidos pelos poderes públicos para que seja feito o atendimento das mulheres vítimas de violência. Trata-se, por exemplo, de delegacias especializadas, centros de referências e núcleos de atendimento. Esses espaços, segundo a CPMI funcionam de maneira precária. Em muitos casos eles não possuem um espaço próprio e nem número necessário de profissionais para o atendimento. Em entrevista, a relatora da CPMI, senadora Ana Rita (PT-ES), disse que a situação do atendimento é preecária em todo o Brasil, pois em todos os estados foram encontrados problemas, inclusive em São Paulo.

São Paulo também tem problemas para atender as mulheres vitimas de violência, diz senadora Ana Rita

A senadora chamou a atenção para o estado de São Paulo, em que as pessoas imaginam estar mais desenvolvido e com um sistema mais apropriado par atender essa parcela da população que é vítima de violência. No entanto, segundo ela, não há grandes diferenças entre São Paulo e os outros estados, pois são 645 municípios e somente 129 delegacias especializadas. Além disso, são poucos os centros de referência (14) e casas de abrigo (23), sendo que estes precisam dar conta de toda a demanda do estado. Ana Rita disse que São Paulo precisa renovar o pacto nacional que foi feito juntamente com o governo federal para melhorar o atendimento e enfrentar o problema de violência contra a mulher.