Publicado em: sábado, 02/11/2013

Corrupção pode ter participação de mais servidores em São Paulo

Corrupção pode ter participação de mais servidores em São PauloDe acordo com o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) um número maior de funcionários públicos pode estar envolvido no esquema fraudulento envolvendo a Secretaria Municipal de Finanças, até o momento quatro servidores estão encarcerados sob suspeita de desfalque de cifra que pode chegar a 500 milhões de reais do Tesouro Municipal.

Os contadores fiscais foram cativos provisoriamente desde a última quarta-feira, 30, denunciados por cobrarem suborno de grandes empreendedoras que eram favorecidas com desconto de metade referente ao tributo ISS (imposto Sobre Serviços) e envio de declarações determinados na permissão do Habite-se.

De acordo com o prefeito, as companhias que conseguiram abatimento de até 50% no acerto do ISS e aceleraram o recebimento da declaração de liquidação do tributo também serão convocadas para apresentar explicações. Haddad, contudo, não falou quais seriam as corporações abrangidas. Conforme o promotor Roberto Bodini, coordenador da averiguação, elas recusaram inclusão no esquema.

O Ministério Público Estadual e a Controladoria-Geral do Município afinaram vestígios da falcatrua durante o período de outubro de 2010 e o fim de 2012, durante gestão de Gilberto Kassab. Os suspeitos são: Ronilson Bezerra Rodrigues, Eduardo Horle Barcellos, Carlos Augusto di Lallo Leite do Amaral e Luis Alexandre Cardoso de Magalhães todos estão presos.

O antigo subsecretário da Receita Municipal da gestão anterior, Ronilson Rodrigues chegou a ser indagado pela Corregedoria-Geral do Município, ainda na gestão de Kassab, porém como ainda não existia um órgão mais forte regularizador, as investigações deram uma desacelerada.

Haddad recriminou o governo passado, de acordo com o atual prefeito, desde sua chegada à prefeitura, houve modernização do setor público, através da criação deste órgão Controladoria-Geral do Município, um modelo de investigação do patrimônio dos servidores e também criticou o não avanço das investigações de Ronilson Rodrigues.