Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Corpo de Millôr Fernandes será cremado no Rio

O corpo Millôr Fernandes irá ser cremado na tarde desta quinta-feira (29), no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, localizado na Zona Portuária do Rio de Janeiro. O escritor carioca morreu às 21h da última terça-feira (27), em sua própria casa, que fica bairro de Ipanema, Zona Sul carioca, em razão de uma falência múltipla de seus órgãos, seguida de uma parada cardíaca. De acordo com as informações da família, a cerimônia do velório acontecerá das 10h às 15h.

Millôr era pai de dois filhos, Ivan e Paula, e tinha um neto, Gabriel. O escrito foi casado com Wanda Rubino Fernandes. Segundo a sua certidão, Millôr nasceu em 27 de maio de 1924, contudo ele dizia que a data certa era o dia 16 de agosto de 1923. Durante o ano passado, o escritor chegou a passar por duas internações na Casa de Saúde São José, localizada no bairro Humaitá, na zona sul da capital. Na ocasião as causas de suas idas ao hospital não foram divulgadas pela família.

Nascido no bairro do Méier, sempre realizava piadas a respeito de seu registro de nascimento. Dizia também que só aos 17 anos de idade foi perceber que o seu nome foi escrito de forma errada na certidão: ao invés de estar Milton, estava “Millôr”, devido à grafia do escrivão. Com isso, o escrito passou a adotar o novo nome a partir de então. Em entrevista chegou a dizer que Milton nunca havia sido uma boa escolha.

Millôr foi desenhista, jornalista, tradutor, dramaturgo e roteirista de cinema. Passou pelas principais revistas e jornais do país, obtendo sucesso em todas as áreas em que atuou.