Publicado em: quinta-feira, 22/03/2012

Corpo de estudante deve chegar ao Brasil em duas semanas

Corpo do estudante Roberto Laudísio Curti, de 21 anos, deve chegar ao Brasil somente em duas semanas. O jovem foi morto no último domingo (17) por disparos de armas taser da polícia de Syney, na Austrália, onde o estudante trabalhava como garçom e estudava inglês. O corpo de Roberto deve permanecer no necrotério australiano até que as investigações sobre o fato avancem.

As irmãs do jovem autorizaram que o corpo do rapaz fique a disposição da polícia na Austrália até que a causa da morte de Roberto seja esclarecida. As irmãs de Roberto solicitaram ao cônsul do Brasil em Sydney, André Costa, que o caso seja mantido em sigilo. Michael Gallacher, chefe de polícia do Estado de Nova Gales do Sul, garantiu a família que as investigações serão tratadas com rigor para esclarecer todos os fatos sobre o fato, que é repleto de controvérsias.

Gafe do ministro

O Ministro das Relações Exteriores, Bob Carr, em uma das primeiras declarações feitas pelos grandes nomes do governo da Austrália, mandou condolências para os pais de Roberto depois que conversou com o embaixador brasileiro. Porém, a imprensa australiana já está tratando a declaração como uma gafe, pois o jovem estudante é órfão.

O fato repercutiu em todo o mundo, e as investigações estão sendo realizadas. As gravações feitas pelas câmeras de segurança da loja de conveniência onde o assalto foi feito estão com a polícia de Sydney e ainda não foram divulgadas. Roberto estava na Austrália desde 2011 para visitar a irmã e o cunhado. O estudante aproveitou a viagem para fazer um curso de inglês em uma escola de Bondi Juction, bairro da cidade.