Publicado em: quarta-feira, 10/04/2013

Consumo de álcool cresce entre as mulheres no Brasil

Consumo de álcool cresce entre as mulheres no BrasilA Unifesp – Universidade Federal de São Paulo apresentou nesta quarta-feira (10), pesquisa que revela aumento de 20% de consumo de bebidas alcoólicas no Brasil no período de seis anos. Os dados apontados pelo Levantamento Nacional de Álcool de Drogas – lenad, mostra ainda que o uso de álcool pelas mulheres cresceu 34% no mesmo período.

De acordo com a pesquisa o número de pessoas que ingerem bebidas com teor alcoólico pelo menos durante uma vez na semana subiu de 45% para 54%. As informações foram coletadas durante o ano de 2012 e teve um total de 4.607 pessoas entrevistadas em todo país, com idade superior a 14 anos que responderam questões sobre o uso de álcool, cigarro e outras drogas.

O fator que mais contribui para o aumento do consumo de bebidas é a elevação do pode aquisitivo entre as classes C e D. O crescimento de 29% de mulheres que bebiam em 2006 para os 39% representam um aumento de 34,5 em seis anos. Além do crescimento da quantidade de pessoas que consomem álcool registrou-se também o aumento no volume de bebidas ingeridas. Segundo estatística 20% das pessoas que mais bebem ingerem cerca de 56% do álcool consumido no país.

Malefícios do álcool para a saúde

Além de provocar problemas de relacionamento, acidentes de trânsito e embriagues o consumo excessivo de álcool é prejudicial à saúde.

As bebidas alcoólicas possuem um efeito sedativo no sistema nervoso, que retém o controle de funções básicas como respiração. Circulação sanguínea, temperatura e digestão. Isto explica porque muitas pessoas sobre o efeito do álcool falam de forma confusa e até mesmo lenta, enquanto outras devido ao excesso ingerido caem no sono ao contrário de pequenas doses que deixam as pessoas mais dispostas.

O consumo freqüente de grandes quantidade da bebida pode afetar o funcionamento da memória, causando a incapacidade de armazenar lembranças recentes, estágio conhecido como síndrome de Korrsakoff que tende a ser bastante perturbadora.